A direção do SINTESPO vem a público manifestar sua contrariedade à proposta que tramita em regime de urgência da Câmara Municipal de Ponta Grossa que pretende distribuir gratuitamente nas unidades públicas de saúde do município o chamado kit-covid.

O conjunto de medicamentos não tem comprovação científica de eficácia contra a pandemia de covid-19, mas mesmo assim alguns parlamentares propuseram e, ao que parece, boa parte dos edis se mostra favorável que o município gaste dinheiro público para sua distribuição na cidade.

“Entendemos que algumas pessoas, levadas pelo desespero na busca de alguma solução, outras por interesses que desconhecemos, queiram impor à administração pública medicamentos indicados para outras doenças na intenção de combater a pandemia. No entanto, é consenso na comunidade científica que hidroxicroloquina/cloriquina, invermectina e outros medicamentos menos conhecidos são ineficazes contra o novo coronavírus. Até as próprias empresas que produzem esses remédios já se manifestaram nesse sentido”, diz o presidente do SINTESPO, Plauto Coelho.

No entendimento dos diretores do sindicato, todos os esforços do Poder Público devem ser direcionados a ações eficazes de controle e combate à pandemia, como o incentivo ao uso de máscaras, distanciamento social e higienização constante das mãos, alguma modalidade de auxílio emergencial às famílias mais carentes, ambulantes, trabalhadores informais e pequenos empresários e, acima de tudo, à compra de imunizantes.

 

Comentários

Conte nos que você achou!