A atual diretoria do SINTESPO completa dois anos de gestão neste dia 1º de agosto e pode comemorar muitas vitórias, mesmo tendo em vista os constantes ataques dos governos federal e estadual contra os sindicatos, em particular, e contra a Educação e as universidades em termos mais amplos, além dos retrocessos sociais ocorridos desde 2018.
“Podemos dizer que nos mantivemos firmes na defesa das trabalhadoras e trabalhadores da UEPG e ainda ampliamos nossa atuação em nível estadual, com mais participação nas decisões do Fórum das Entidades Sindicais (FES) e na luta contra os desmandos do governo Ratinho Jr. Do ponto de vista de nossa cidade, também estamos mais ativos e participantes, com representação em conselhos municipais para discutir os rumos da administração de Ponta Grossa. Para os nossos filiados houve avanços significativos, tanto do ponto de vista da defesa dos direitos quanto de acesso a serviços de saúde, educação e lazer através de convênios”, salienta o presidente do SINTESPO, Plauto Coelho.

PANDEMIA
Para além das dificuldades impostas à atividade sindical pelos governos, a pandemia de covid-19 veio para tornar ainda mais complicada a situação. No entanto, inicialmente com atividades remotas, o sindicato conseguiu dar conta das demandas de seus filiados e, neste momento, alterna atendimento presencial (seguindo todas as recomendações de prevenção sugeridas pela Organização Mundial de Saúde – OMS) com atendimento remoto.

AÇÕES TRABALHISTAS
Nestes dois anos de trabalho da atual diretoria, o SINTESPO foi vitorioso nas ações trabalhistas propostas. A de mais destaque foi a ação das “duas folgas” que representou os agentes de segurança. A ação que durou mais de 14 anos, finalmente foi encerrada com a vitória dos trabalhadores, restando apenas a definição das datas e modo de pagamento por parte da Justiça.

DEFESA DOS DIREITOS
Desde que a diretoria assumiu, em 2018, a luta pela defesa dos direitos dos servidores da UEPG foi intensa. Foram inúmeras manifestações promovidas pelo SINTESPO, com viagens à Curitiba e ações locais de protesto e reivindicação.
Previdência
O SINTESPO não silenciou perante os ataques do governo Ratinho Jr. em relação à previdência dos funcionários públicos do Paraná. Em todos os momentos nos quais a Assembleia Legislativa discutiu a Proposta de Emenda Constitucional e os projetos de lei relativos ao assunto, tanto a diretoria quanto os associados se colocaram contra o governo. O SINTESPO ainda participa de uma série de ações junto à Justiça e Ministério Público para reverter as leis que prejudicam trabalhadoras e trabalhadores.
Data-base
A luta contra o congelamento da data-base está sendo difícil, mas o sindicato tem usado de todas as formas possíveis para garantir esse direito aos trabalhadores. Ainda na virada do ano de 2019 para 2020, o conjunto de sindicatos do qual o SINTESPO participa conseguiu a revogação do decreto que congelava os salários e participou da campanha vitoriosa que resultou no acordo para que o governo pagasse, pelo menos, os índices do relativos ao período 2018-2019.
No entanto, neste momento o governo Ratinho Jr. tem usado o pretexto da pandemia para voltar a ameaçar esse direito. O SINTESPO continua com a pressão sobre o governo junto ao FES e vai lutar usando todos os dispositivos legais para defender o trabalhador.

AÇÕES SOCIAIS E PARCERIAS
Nos últimos dois anos, a atual diretoria ampliou muito o atendimento aos filiados e à sociedade de modo geral. Dentre as atividades realizadas estão palestras sobre câncer de colo de útero, assédio moral, curso para migrantes, parcerias com clube recreativo, cessão de espaço no SINTESPO para a Associação dos Professores Aposentados da UEPG e participação em protestos contra o aumento da tarifa do transporte público de Ponta Grossa. Além disso, o SINTESPO hoje tem representação nos conselhos municipais de Direitos da Mulher e de Promoção de Igualdade Racial.
Além disso, o SINTESPO iniciou parcerias com Núcleo Maria da Penha da UEPG, SindiSaúde, Iesol, Movimento Negro, MST e mais recentemente com a Rede Anunciação de Agroecologia, abrindo espaço para que os produtores rurais possam comercializar produtos sem agrotóxicos diretamente com os consumidores.

CAMPANHA DE FILIAÇÃO
A atividade sindical no Brasil tem sofrido constantes ataques, seja por meio das ações diretas de governos como por parte da imprensa. As administrações neoliberais querem diminuir o tamanho do Estado, privando as pessoas que mais precisam dos serviços públicos hoje gratuitos. Para fazer isso, os governos querem eliminar qualquer oposição. Sendo assim, atacam os sindicatos de trabalhadores.
Além disso, as mudanças na previdência resultaram em muitas aposentadorias precoces, retirando ainda mais recursos dos sindicatos. Sem recursos e com cada vez menos filiados, fica mais difícil fazer oposição aos governos.
É por esses motivos que agora, mais do que nunca, é muito importante que todos os trabalhadores da UEPG se filiem ao SINTESPO. Somente um sindicato forte e representativo pode frear o avanço das forças que querem destruir o serviço público. “Estamos convidando a todos os servidores da UEPG para que se unam a nós na luta pela Educação de qualidade. Somente com técnicos e docentes preparados, bem remunerados e com seus direitos garantidos é possível fazer a UEPG ser ainda melhor do que já é”, diz o presidente Plauto Coelho.

Comentários

Conte nos que você achou!