No mundo todo o movimento antirracista se levanta para denunciar os abusos que o povo preto sofre por parte dos governos, especialmente contra o tratamento recebido pelas forças de segurança dos Estados.

O episódio da morte de George Floyd, motivada por asfixia devido à violência policial em Minneapolis, Estados Unidos, deflagrou uma série de manifestações naquele país e despertou as sociedades de vários países para o assunto.

No Brasil, onde a população africana foi trazida à força e escravizada por mais de 300 anos, a situação não é diferente dos Estados Unidos e em muitos aspectos é até mais dramática. Sobram casos de violência gratuita contra a população negra, evidenciando a discriminação e opressão do Estado e da sociedade de modo mais geral.

Em nosso país, o movimento tomou conta das redes sociais nos últimos dias através da hashtag “Vidas Negras Importam”, tradução para o português do mote utilizado no mundo de fala inglesa “BlackLivesMatter”.

Ações do Sintespo

O SINTESPO sempre se destacou no apoio a movimentos sociais, mas desde o ano passado tem se dedicado de maneira institucional na luta contra o racismo. Atualmente o sindicato mantém uma cadeira no Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial (Compir), representado pela sua secretária administrativa, Horaciele Carvalho. Além disso, o SINTESPO tem parceria com o Instituto Sorriso Negro, no qual a secretária Horaciele é uma das diretoras.

Nesse momento grave, onde os povos se levantam contra a inação dos governos no combate à pandemia, o SINTESPO coloca à disposição sua sede e todos os recursos possíveis para dar suporte ao movimento antirracista. A emergência da pandemia de covid-19 tem afetado de maneira mais intensa as populações mais pobres e no nosso país isso tem uma repercussão imediata nas pessoas de pele preta e parda, pois representam 70% desse estrato social.

#VidasNegrasImportam

Comentários

Conte nos que você achou!