A secretaria e a diretoria do SINTESPO retomaram nesta quarta-feira, 5, seu expediente normal, com atendimento das 9 às 12 horas e das 13 às 17 horas. No entanto, mesmo durante o recesso, a direção não teve descanso e esteve atenta a tudo que afeta direta ou indiretamente os servidores da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) de modo específico, e de modo geral a todos os trabalhadores do setor público do Paraná.

Como o SINTESPO faz parte do Fórum das Entidades Sindicais, os diretores fizeram várias viagens a Curitiba para tratar do decreto editado pelo governador Ratinho Jr. que impõe para grande parte dos servidores a obrigação de uma nova validação da autorização para desconto em folha das mensalidades devidas aos sindicatos.

A medida vai prejudicar centenas de milhares de servidores que têm planos de saúde, auxílio-funeral, convênios para descontos em clínicas de saúde e farmácias, assim como outros benefícios. Isso se dá porque se o governo decidir não fazer o desconto em folha, os trabalhadores perdem automaticamente os benefícios relativos à sua sindicalização ou pertencimento à entidades associativas outras.

“No nosso entendimento, o decreto tem o único objetivo de enfraquecer os sindicatos. O governador enxerga nos sindicatos um oponente com bastante poder de mobilização, por isso faz esse ataque frontal a esses instituições. Mesmo o SINTESPO não sendo afetado diretamente por essa medida, nos solidarizamos com o conjunto de sindicatos do Paraná e com os servidores de todo o Estado”, disse o presidente do SINTESPO, Plauto Coelho.

Além das discussões envolvendo o decreto, a direção do SINTESPO também participou de discussões relativas ao teto do funcionalismo das universidades e ao TIDE técnico. “Tanto o STF quanto deputados da Assembleia Legislativa estão propondo e discutindo assuntos pertinentes à atuação dos servidores das universidades estaduais. Por isso, estamos atentos a qualquer mudança e em breve podem surgir novidades sobre esses temas”, alertou o diretor de carreira docente do SINTESPO, Edson Armando Silva.

Comentários

Conte nos que você achou!