A direção do SINTESPO e representantes de diversos sindicatos que compõem o FES – Fórum das Entidades Sindicais – estiveram nessa quarta-feira, 27 de fevereiro, no Palácio Iguaçu para expor as reivindicações do funcionalismo público ao novo governo do Paraná.

Embora o encontro estivesse agendado, o chefe da Casa Civil, Guto Silva, e o líder do governo na Assembleia Legislativa, Husseim Bakri, tiveram problema de agenda e não compareceram.

Após a argumentação dos dirigentes para que a reunião fosse mantida, o subchefe da Casa Civil, Alexandre Guimarães, e o chefe de gabinete de Bakri, Marcelo Schlenert, receberam a comissão de servidoras/es para se inteirar das reivindicações. Eles se comprometeram a agendar a primeira reunião de negociação de fato para semana seguinte ao carnaval.

Os principais pontos da pauta do Fórum foram reiterados: data-base, ParanaPrevidência, combate aos atos antissindicais e contratação de mais profissionais.

Outro ponto tratado com os representantes do governo foi a recente circular nº 1/2019, de autoria da Casa Civil, que estabelece que os dias 4, 5, e a manhã do dia 6 de março, dias do feriado de carnaval, serão ponto facultativo e que devem ser repostos pelas servidoras e servidores.

As/os representantes do FES apontaram para o descabimento da decisão e a indignação das categorias. O subchefe da Casa Civil se comprometeu a reavaliar a situação e a emitir um posicionamento ainda durante o dia 27.

Para o presidente do Sintespo, Plauto Coelho, o governo Ratinho deve agir com mais rapidez para valorizar os servidores. “No governo anterior toda nossa categoria teve muitas perdas. A defasagem salarial deve atingir 16% nesse ano. É preciso estabelecer o diálogo o quanto antes, pois o serviço público está sobre grande pressão”, avalia.

Estiveram presentes na reunião, além do presidente do Sintespo, o vice-presidente, Roberto Rodrigues e o vice-secretário geral, José Luiz Rocha.

Texto com informações de: Marcio Mittelbach / SindSaúde PR

Comentários

Conte nos que você achou!